Após ameaça de processo e pressão política, Anvisa é defendida por indústria

Após ameaça de processo e pressão política, Anvisa é defendida por indústria

Associações e sindicatos ligados à indústria farmacêutica no Brasil elaboraram um manifesto em apoio à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que vem sofrendo pressão após ter rejeitado pedidos de aval à importação da vacina russa Sputnik V, revelou a Folha. Fabricantes da vacina disseram que pretendem processar a Agência.

O manifesto é assinado por Abifina, Abifisa, Abimip, Alanac, Alfob, Grupo FarmaBrasil, Interfarma, PróGenéricos, Sinfar-RJ, Sindusfarma, Sindicis-RS e Sindifargo. Essas entidades veem risco de perda de autonomia regulatória e de proteção sanitária com fragilização da Agência.

Fabricantes da vacina russa afirmaram na semana passada em uma rede social que iriam processar a Anvisa por difamação. De acordo com agências internacionais de notícias, eles afirmaram que o órgão deu “declarações incorretas e enganosas sem ter testado a vacina Sputnik V” e “espalhou informações falsas e imprecisas intencionalmente” sobre o imunizante.

Segundo diretores e equipe técnica da Anvisa, a falta de dados mínimos e a identificação de pontos críticos entre aqueles apresentados – como falhas no desenvolvimento que trazem incertezas sobre a segurança da vacina – levaram à não aprovação do imunizante.

No dia 26 de abril, a diretoria da Anvisa divulgou a decisão de não recomendar a importação excepcional e temporária da Sputnik V. Um dos argumentos dos técnicos foi de que, em todos os lotes apresentados ao órgão regulador, foram detectados adenovírus capazes de se replicar.

publicidade inserida(https://www.ictq.com.br/pos-graduacao)

O gerente-geral de Medicamentos da Anvisa e professor da pós-graduação de Assuntos Regulatórios do ICTQ – Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico, Gustavo Mendes, comentou sobre o adenovírus replicante.

“Esse adenovírus replicante foi detectado em todos os lotes apresentados da vacina Sputnik para a Anvisa. Todos os laudos de controle de qualidade que foram apresentados na documentação a que nós tivemos acesso mostravam a presença desse vírus replicante”, disse Mendes à revista Superinteressante.

O adenovírus deve ser utilizado apenas para carregar o material genético do novo coronavírus para as células humanas, para promover a resposta imune. No entanto, no caso da Sputnik V, ele mesmo se replica (ou seja, é capaz de se multiplicar quando injetado no corpo), o que, de acordo com a Agência, poderia levar desde a infecções variadas até à exacerbação da resposta imunológica, conforme apurou a Deutsche Welle.

No Brasil, dez Estados fizeram pedidos de aprovação da importação da Sputnik V – Bahia, Acre, Rio Grande do Norte, Maranhão, Mato Grosso, Piauí, Ceará, Sergipe, Pernambuco e Rondônia. Alguns governadores e deputados têm pressionado a Agência pela reavaliação da decisão e liberar a Sputnik.

Receba nossas notícias por e-mail: Cadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

No manifesto, os signatários destacam o empenho dos técnicos da Anvisa. “Os servidores e diretores da Agência estão fazendo um esforço excepcional para dar respostas rápidas às demandas baseadas na ciência e nas normas sanitárias e leis que protegem os brasileiros. Sempre analisando de maneira técnica a segurança e eficácia das vacinas, medicamentos e outros insumos utilizados no combate à pandemia”, diz o texto.

“Não há, portanto, justificativa para questionar ou atacar o trabalho técnico e altamente profissional realizado pela Anvisa. O setor farmacêutico brasileiro reafirma seu apoio à Anvisa e alerta para o risco de perdermos autonomia regulatória e proteção sanitária se a Agência for fragilizada”, adiciona a carta.

“Quanto mais cedo vacinarmos a população brasileira, mais rápido haverá o controle da pandemia no país e a volta à normalidade. Mas não se podem atropelar etapas essenciais na garantia da qualidade e segurança das vacinas, sob o risco de tornarmos ainda mais grave a situação. A indústria farmacêutica confia no trabalho responsável da Agência e em sua missão institucional neste grave momento de crise da saúde do país”, conclui o documento.

Participe também: Grupos de WhatsApp e Telegram para receber notícias farmacêuticas diariamente.

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Atendimento

Atendimento de segunda a quinta-feira das 08:00h às 18:00h e sexta-feira das 08:00h às 17:00h (Exceto Feriados).

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 911, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS