J&J tenta empurrar vacinas com vida útil mais curta para a América Latina, diz diretor da Opas

J&J tenta empurrar vacinas com vida útil mais curta para a América Latina, diz diretor da Opas

Johnson & Johnson pressionou a América Latina a aceitar vacinas contra a Covid-19 descongeladas, que têm vida útil mais curta, segundo revelou ao jornal Financial Times o diretor-assistente da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas), Jarbas Barbosa, conforme apurou o Valor.

Depois de descongelados, os imunizantes devem ser utilizados em até três meses. Com isso, alguns países poderiam não conseguir distribuir as vacinas antes do vencimento. Segundo Barbosa, a J&J estava pedindo que as doses fossem enviadas em temperatura de geladeira, em vez de congeladas, como exige a Organização Mundial de Saúde (OMS).

A autorização de uso emergencial para a vacina da J&J estipula que as doses devem ser entregues entre -25ºC e -15ºC, temperatura em que a vida útil é de dois anos. Depois de descongelados, os imunizantes devem ser utilizados em até 90 dias.

Opas é o escritório regional da OMS para as Américas e lidera as negociações com a J&J para a entrega de vacinas por meio do Covax, o consórcio internacional que tenta garantir uma distribuição mais igualitária dos imunizantes entre os países.

“Todo mundo quer chegar a um acordo o mais rápido possível, mas não podemos aceitar vacinas que os países não terão tempo de usar”, afirmou Barbosa ao Financial Times. “Em certas circunstâncias, você pode aceitar 10% ou 15% da remessa com uma vida útil mais curta. Mas nossa recomendação é que os países só devem aceitar a -20ºC”.

Barbosa disse ainda que a J&J foi agressiva nas negociações e sugeriu que a empresa estava tentando se livrar de doses que não poderiam ser usadas de outra forma. “Talvez eles tenham vacinas que já foram descongeladas e queiram entregá-las pelo Covax”, sugeriu.

Apesar disso, segundo o diretor-assistente, a Opas continua negociando com a J&J e que espera resolver a questão antes da próxima semana. Conforme o princípio de acordo assinado pela empresa e a OMS, 200 milhões de doses devem ser entregues à Covax para distribuição no segundo semestre deste ano.

Receba nossas notícias por e-mailCadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

Segundo Barbosa, as negociações com as farmacêuticas têm sido desafiadoras. As companhias estão exigindo proteções no caso do surgimento de efeitos colaterais imprevistos e não concordam com punições se houver atrasos na produção. “As empresas estão pedindo coisas que, em tempos normais, seriam inaceitáveis”, salientou.

Procurada pelo jornal inglês, a J&J não respondeu perguntas específicas sobre as negociações com a Opas. Em comunicado, a empresa informou que se comprometeu a distribuir 500 milhões de doses para os países mais pobres e que sua vacina, “de dose única e facilmente transportável, pode ser uma ferramenta importante na luta contra a Covid-19”.

publicidade inserida(https://www.ictq.com.br/pos-graduacao)

Vacina da J&J foi aprovada pela Anvisa

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou em março o pedido de uso emergencial da vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo laboratório Janssen, do grupo Johnson & Johnson. Esse imunizante envolveu testes clínicos realizados em diferentes países, inclusive o Brasil, revelou o jornal Extra.

De acordo com o gerente-geral de medicamentos e produtos biológicos da Anvisa, Gustavo Mendes, que é também professor da pós-graduação de Assuntos Regulatórios do ICTQ – Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico, a taxa de eficácia média da vacina é de 66,9% e pode ser aplicada em pessoas acima de 18 anos com ou sem comorbidade, incluindo idosos.

Segundo ele disse ao jornal na época da aprovação, a Agência constatou a segurança da vacina e ela pode ser usada em caráter emergencial sem oferecer risco à população. Conforme os estudos, a proteção oferecida pela vacina acontece após 14 dias da aplicação.

Mendes lembrou que a vacina tem efeito para impedir o desenvolvimento de casos graves da doença, mas não há comprovação de que o imunizante impeça a transmissão da doença. “Não temos evidência de que a vacina evite a transmissão de pessoa para pessoa”, afirmou ao Extra.

Participe também: Grupos de WhatsApp para receber notícias farmacêuticas diariamente..

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Veja mais materias sobre:

Farmacêutica, Indústria Farmacêutica, Covid-19

Atendimento

Atendimento de segunda a quinta-feira das 08:00h às 18:00h e sexta-feira das 08:00h às 17:00h (Exceto Feriados).

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 911, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS