Empurroterapia no país da hipocrisia

EMPURROTERAPIA NO PAÍS DA HIPOCRISIA

O programa Fantástico, da TV Globo, exibiu no último domingo (16/5) uma reportagem sobre a chamada empurroterapia, uma prática antiga e que consiste na indicação meramente comercial de medicamentos e vitaminas a clientes em troca de comissões.

Infelizmente, o mercado já sabe que essa prática é recorrente, por isso, eu acredito que a matéria não esteja errada, mas, com toda a certeza, ela está bem incompleta. Por isso, quero levantar, aqui, outros aspectos da empurroterapia que passam despercebidos pela maioria, e que são tão graves como esses apontados pelo Fantástico.

Veja bem, foi mostrado que os laboratórios – que faturaram R$ 76,9 bilhões em 2020, conforme dados da consultoria IQVIA – pagam comissões de até 30% e dão viagens internacionais para que balconistas de farmácias indiquem medicamentos e vitaminas aos clientes desses estabelecimentos.

De acordo com especialistas, o pagamento de comissões pode estimular o consumo excessivo de medicamentos e isso, consequentemente, é prejudicial à saúde. Eu entendo que a prática seja criticada e repudiada por muito...e com razão, embora não seja tipificada como crime.

O fato é que a empurroterapia vai muito além da praticada no interior das farmácias. Ela acontece, diariamente, em consultórios, outdoors, nos discursos políticos, nas revistas, nas rádios, na internet e na televisão, principalmente, em propagandas e merchandisings veiculados em noticiários e programas de entretenimento. Isso tudo é a empurroterapia no país da hipocrisia!

Eu te pergunto: quantas vezes já deparamos, num domingo, após o almoço, uma personalidade falando dos benefícios da Coristina D? Pior ainda é termos um atriz famosa fazendo esse comercial. Isso não é empurroterapia? A resposta, aqui, no meu entender, é SIM!

Essa propaganda, às vezes, pode ser tão danosa como a oferta do balconista da farmácia, porque se trata de um influenciador, um formador de opinião, um indivíduo midiático falando de um medicamento, como se ele fosse um especialista de saúde.

Receba nossas notícias por e-mail: Cadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

Isso até é legal, mas é moral? Isso beneficia a saúde da população de alguma maneira? Aqui, no meu entender, as respostas são NÃO!

Não bastasse os artistas, temos também a figura política máxima do país fazendo essa empurroterapia. Como exemplo, posso citar o presidente da República, durante a pandemia da Covid-19, que insiste em indicar a cloroquina e tantos outros medicamentos como sendo eficazes e preventivos contra a infecção pelo novo coronavírus. Qual seria o interesse dele com essa atitude?

Não por acaso, o estoque desses fármacos sumiu das prateleiras dos estabelecimentos, porque a população buscou as farmácias para comprar algo que não resolve o problema, segundo os estudos científicos sobre o tema. Aliás, somente a vacina é a solução!

Há até advogada comentarista de TV e influencers entrando para o time dos empurroterapeutas de plantão. Posso citar um exemplo, que aconteceu no ano passado, que foi o de Gabriela Prioli, da CNN Brasil, que foi duramente criticada nas redes sociais, após fazer um post patrocinado (publipost) no Instagram.

A comentarista da emissora indicou o uso de um suplemento alimentar (vitamina D) recomendado por seu nutrólogo, e atraiu, com isso, milhares de comentários. Porém, ela não contava com a boa parcela de críticas e ofensas. Isso é empurroterapia também!

E nada disso que exemplifiquei acima foi sinalizado na matéria do Fantástico. Por que razão “apontar” apenas a figura do balconista de farmácia?

A reportagem fez uma denúncia correta, só que colocou somente meias verdades e foi hipócrita ao veicular na televisão e não mencionar as propagandas que tanto vemos na mídia, ou mesmo seu global elenco que estampa diversas dessas campanhas. A cada intervalo comercial vemos medicamentos e vitaminas sendo oferecidos. Isso é empurroterapia!

publicidade inserida(https://www.ictq.com.br/pos-graduacao)

O Conselho Regional de Farmácia de São Paulo (CRF-SP) esclareceu que trabalha intensamente para que as farmácias atuem efetivamente como estabelecimentos de saúde, conforme preconiza a Lei 13.021/14, afinal o ato de dispensar medicamentos é uma atribuição privativa do farmacêutico e envolve tanto a entrega do medicamento, como a orientação sobre o uso correto, interações medicamentosas, reações adversas, dentre outras, sendo que tais atribuições vêm ao encontro da atuação clínica do farmacêutico e objetiva promover o uso seguro e racional do medicamento, a adesão ao tratamento e a melhora clínica do paciente.

A diferença de empurroterapia para um processo de prescrição, seja médica, farmacêutica ou de qualquer outro profissional de saúde que esteja habilitado para isso, é que a prescrição é pautada, principalmente, na avalição clínica prévia do paciente.

Se a pessoa não passou por uma anamnese e não fez exames laboratoriais como é possível dizer que ela precisa desse ou daquele medicamento? Ninguém vai adivinhar que tipo de vitamina a pessoa está com deficiência.

Toda indicação que não tem como princípio uma orientação clínica - até mesmo de medicamento isento de prescrição – e que não passa por avaliação prévia é empurroterapia.

Uma avaliação clínica inclui anamnese, semiologia, exames laboratoriais e de imagem e avaliação e revisão farmacoterapêutica. A conclusão do processo de avaliação clínica é a prescrição, medicamentosa ou não.

Ressalto, assim como o CRF-SP, que o farmacêutico, no exercício da profissão, não pode estar sujeito à pressão ou ser obrigado a cumprir metas de vendas de medicamentos, já que a dispensação é um ato técnico, e a escolha do medicamento não pode, em nenhuma hipótese, estar associada a qualquer tipo de interesse ou vantagem financeira.

É triste analisarmos esse cenário onde o comercial, o lucro e o capitalismo em excesso se sobressaem à real função das farmácias e do farmacêutico: ser um local e profissional em prol da saúde das pessoas.

Participe também: Grupos de WhatsApp e Telegram para receber notícias farmacêuticas diariamente.

Marcus Vinicius de Andrade é fundador do ICTQ – Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico e graduando em Farmácia.

Veja mais materias sobre:

Farmacêutica, Farmacêutico, Opinião Farmacêutica

Atendimento

Atendimento de segunda a quinta-feira das 08:00h às 18:00h e sexta-feira das 08:00h às 17:00h (Exceto Feriados).

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 911, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS