Medicamentos diminuem eficácia de vacina contra a Covid-19

Medicamentos para doenças reumáticas diminuem a eficiência de vacina contra Covid-19

Pesquisadores da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP) constataram que alguns tipos de medicamentos usados no tratamento de pacientes com doenças reumáticas autoimunes, como artrite reumatoide, são capazes de diminuir a resposta imunológica de vacinas contra a Covid-19, revelou a Agência Fapesp.

No estudo, cujos resultados foram divulgados na revista científica Nature Medicine, foram avaliados pacientes imunizados com a Coronavac, produzida no Brasil pelo Instituto Butantan. De acordo com os cientistas, ainda é preciso testar se o mesmo efeito ocorre com vacinas de outros laboratórios. A pesquisa teve o objetivo de avaliar a segurança e a eficácia do imunizante em pacientes com nove tipos de doenças reumáticas autoimunes.

A partir dos resultados obtidos, os pesquisadores estão elaborando novas estratégias de vacinação para esses pacientes, que incluem suspender o tratamento uma ou duas semanas antes da aplicação da Coronavac e retomá-lo após a vacinação, com o objetivo de melhorar a resposta imune.

“Observamos que algumas medicações, como glicocorticoides, além de imunossupressores, como o metotrexato e o micofenolato mofetil, e alguns biológicos diminuem a resposta imune nesses pacientes”, afirmou à Agência Fapesp Eloísa Bonfá, professora da FM-USP e coordenadora do estudo, que tem o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e da B3 – Bolsa de Valores.

“Baseados nessa observação, começamos a estudar algumas estratégias de vacinação, como suspender a medicação com mofetil uma semana e a de metotrexato duas semanas antes da aplicação da vacina”, completou Eloísa.

Ainda de acordo com a pesquisadora, em razão da imunidade deficiente, os pacientes imunossuprimidos – que compreendem não apenas os com doenças autoimunes, mas também em tratamento contra o câncer, transplantados e aqueles que vivem com o vírus HIV, entre outros – apresentam alto risco de ter uma resposta diminuída às vacinas. Além disso, as doenças autoimunes reumáticas podem aumentar a propensão a tromboses.

Com o intuito de avaliar se as vacinas contra a Covid-19 eram eficientes e seguras para esse grupo de pessoas, os pesquisadores da FM-USP acompanharam 910 pacientes adultos, atendidos no laboratório de reumatologia do Hospital das Clínicas da universidade, até 40 dias após receberem a segunda dose da Coronavac.

“Os pacientes são acompanhados em centro terciário e, portanto, apresentam quadros mais graves de artrites reumatoide e psoriásica, além de espondiloartrite axial e outras doenças reumáticas autoimunes sistêmicas, como lúpus eritematoso, vasculite, síndrome de Sjögren, esclerose sistêmica, miopatias inflamatórias idiopáticas e síndrome antifosfolípide”, salientou Eloísa.

As amostras de sangue dos pacientes para identificação de anticorpos contra o novo coronavírus (SARS-CoV-2) foram analisadas antes, depois de 28 dias e de seis semanas da vacinação completa com a Coronavac. Os resultados foram comparados com os de 182 pessoas sem doenças autoimunes ou que não tomavam imunossupressores, que formaram um grupo-controle.

De acordo com os autores do estudo, os resultados das análises indicaram que o imunizante foi capaz de induzir a soroconversão para anticorpos do tipo IgG de 70,4% nos pacientes com doenças reumáticas autoimunes contra 95,5% no grupo-controle.

“Vimos uma redução da resposta imunológica nesses pacientes em comparação com o grupo-controle que consideramos moderada e está dentro dos padrões estabelecidos pela Organização Mundial de Saúde”, explicou Eloísa. “Uma taxa de 70,4% de resposta sorológica já é muito importante para pessoas que têm a imunidade diminuída ou que tomam medicamentos que diminuem a imunidade”, completou.

Receba nossas notícias por e-mail: Cadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

Apesar da diminuição da resposta de vacina, não houve agravantes entre os pacientes estudados. Até dez dias após a primeira dose da imunização, quando a resposta da vacina ainda não está completa, 33 dos participantes da pesquisa tiveram Covid-19. E 40 dias após esse período, quando a resposta imune da vacinação já estava formada, apenas seis pacientes tiveram a doença. Somente quatro indivíduos necessitaram ser internados e não foram registrados óbitos.

publicidade inserida(https://emailmkt.ictq.com.br/lancamento-inteligencia-visao-regulatoria-farma-ind?utm_campaign=IVR-JUL21&utm_medium=link-bio&utm_source=instagram&utm_campaign=IVR-JUL21&utm_medium=privado&utm_source=whatsapp)

Segundo Eloísa, essa redução de casos de infecção entre os participantes, de 33 para apenas seis, ocorreu de forma inversa ao pico de registros de novas infecções pelo SARS-CoV-2 em São Paulo, que no mesmo período teve um aumento de 45%.

“A observação de que dez dias após a segunda dose ocorreu uma redução importante de casos mostra que a vacina parece ter uma efetividade muito boa mesmo nessa população de pacientes imunossuprimidos, que é mais propensa a ter infecção”, afirmou a pesquisadora. “Isso reforça a recomendação para que esses pacientes sejam vacinados”.

Eloísa frisou ainda que, além de apresentar maior risco de contrair doenças infecciosas e evoluir para um quadro grave, os pacientes imunossuprimidos têm incidência mais elevada de comorbidades, como hipertensão e obesidade, que são fatores de risco para a Covid-19. Por isso, deveriam ter sido priorizados desde o início da campanha de vacinação contra a doença.

Além disso, os pacientes imunossuprimidos têm maior dificuldade de ‘limpar’ o vírus do organismo em comparação com pessoas saudáveis, o que favorece o desenvolvimento de mutações. “Priorizar a vacinação desse grupo é importante não só para eles, mas também para a população em geral, porque dessa forma é possível reduzir o risco de surgirem mutações”, finalizou a pesquisadora.

O farmacêutico e professor da pós-graduação em Farmácia Clínica e Prescrição Farmacêutica no ICTQ – Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico, Rafael Poloni, alerta que o paciente que toma medicamentos de uso contínuo, principalmente imunossupressores, deve avisar o médico prescritor, mas a vacinação não deve ser abandonada.

“Mesmo que tenha redução da resposta imunológica contra Covid-19, ainda assim é preciso se proteger tomando a vacina. O farmacêutico deve frisar ao paciente a importância de tomar a vacina contra a doença e encaminhá-lo ao médico, caso ele esteja em uso de imunossupressores, para providências”, salienta Poloni.

O artigo Immunogenicity and safety of the CoronaVac inactivated vaccine in patients with autoimmune rheumatic diseases: A phase 4 trial, dos pesquisadores da FM-USP, pode ser acessado na íntegra no site da Nature Medicine.

Participe também: Grupos de WhatsApp e Telegram para receber notícias farmacêuticas diariamente.

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Veja mais materias sobre:

Medicamentos, Farmácia Clínica, Covid-19

Atendimento

Atendimento de segunda a quinta-feira das 08:00h às 18:00h e sexta-feira das 08:00h às 17:00h (Exceto Feriados).

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 911, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS