Farmácia alemã comercializa vacina homeopática contra Covid-19

Farmácia alemã comercializa vacina homeopática contra Covid-19

Uma farmácia alemã pode sofrer medidas punitivas por ofertar uma suposta vacina homeopática contra a Covid-19. O imunizante não tem comprovação de eficácia e seria produzido com restos da vacina da Pfizer.

De acordo com a Época, a divulgação da venda dos imunizantes foi feita no site da farmácia Schloss Apotheke, que anunciava: "Temos em estoque a vacina Pfizer/ BioNtech contra Covid-19 na forma potenciada até D30 como glóbulos ou diluição”.

Em vista do fato, por precaução, as autoridades sanitárias alemãs determinaram a suspensão da venda do produto e estudam a possibilidade de aplicar punições contra o estabelecimento e está analisando se houve violação na legislação sanitária vigente.

As autoridades declararam que a farmácia aproveitava pequenos resíduos nos frascos da vacina descartados após o imunizante ser aplicado e que essas ampolas eram obtidas de um centro de vacinação e de um asilo para idosos.

Receba nossas notícias por e-mail: Cadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

O anúncio foi retirado do site da companhia em 30 de abril. A gerente da farmácia, Annette Eichele, declarou à agência de notícias DPA que ela, de "forma alguma", vendia vacinas homeopáticas contra a Covid-19, e afirmou, ainda, que não existem inoculantes eficazes desse tipo.

Annette explicou que os resíduos da vacina da Pfizer apenas foram “altamente potencializados ou preparados como glóbulos". E que o produto visava complementar as vacinações contra coronavírus "para terem um efeito melhor" e "evitar efeitos colaterais". Entretanto, a farmacêutica admitiu que não há comprovação científica do produto.

Quanto à produção, ela afirmou ainda que o produto era fabricado individualmente e sob encomenda do cliente. Segundo ela, foram vendidos menos de uma dúzia de unidades do produto.

publicidade inserida(https://www.ictq.com.br/pos-graduacao)

Verificação de qualidade das vacinas

Em meio a situações assim, cabe alertar a população sobre os riscos de fazer uso de imunizantes e medicamentos que não têm aprovação de uso das agências sanitárias. Logo, não há como saber se estes produtos têm segurança, eficácia e qualidade – aspectos que são verificados nos estudos clínicos das vacinas.

O uso de qualquer produto que não tenha a aprovação das agências sanitárias pode expor o paciente a sérios riscos de saúde. Em vista disso, o gerente-geral da Gerência Geral de Medicamentos e Produtos Biológicos da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Gustavo Mendes, em vídeo exclusivo publicado na série ‘Farmacêuticos pela Vacina’, no canal do Youtube do ICTQ – Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico (veja o vídeo completo aqui), explica como as entidades sanitárias avaliam a qualidade dos imunizantes.

Mendes, que também ministra aulas na Pós-graduação de Assuntos Regulatórios, entre outros cursos no ICTQ, pontua que as agências reguladoras internacionais fazem essa análise por meio de dois aspectos.

A primeira delas, segundo ele, está nas Boas Práticas de Fabricação, ou seja, que, independentemente do país em que o imunizante seja produzido, as regras internacionais de qualidade serão cumpridas, garantindo boas práticas quanto aos equipamentos e da equipe na produção do imunizante.

“Essa é a certeza de que a vacina vai ser produzida de acordo com as especificações e condições adequadas”, explicou.

O segundo aspecto, explica o farmacêutico, está relacionado às condições de liberação de lote. Ou seja, que cada lote será submetido a testes de qualidade, para comprovar que podem ser utilizados pela população.

“Esses lotes deverão ter suas condições de pureza e de potência cumpridas. É assim, então, que sabemos que uma vacina pode ser utilizada”, finalizou.

Participe também: Grupos de WhatsApp e Telegram para receber notícias farmacêuticas diariamente.

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Veja mais materias sobre:

Farmácia, Medicamentos, Covid-19

Atendimento

Atendimento de segunda a quinta-feira das 08:00h às 18:00h e sexta-feira das 08:00h às 17:00h (Exceto Feriados).

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 911, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS