Falsa vacina contra Covid-19 está sendo vendida por R$ 50 no Brasil

Falsa vacina contra Covid-19 está sendo vendida por R$ 50 no Brasil

Por enquanto, poucos países no mundo começaram a imunizar a população contra o novo coronavírus (Covid-19), como os Estados Unidos e o Reino Unido, por exemplo. Já no Brasil, a vacinação em massa ainda não teve início e ainda não existe uma data definida para o começo da iniciativa. No entanto, constantemente a imprensa tem repercutido casos de falsas vacinas que estão sendo comercializadas em território nacional por preços populares.

De acordo com o jornal Diário do Rio, há relatos nas redes sociais sobre ambulantes de Madureira, bairro da cidade do Rio de Janeiro, que estão comercializando uma suposta vacina contra a Covid-19 pelo valor de R$ 50,00. Segundo as informações divulgadas pelo veículo, ainda seria possível realizar a aplicação do falso imunizante no local da compra por mais R$ 10,00.

Receba nossas notícias por e-mail: Cadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

Em imagens que circulam nas redes sociais, o suposto imunizante seria uma falsificação da vacina desenvolvida pela companhia farmacêutica chinesa Sinopharm. Nesse sentido, vale lembrar também que, até hoje (23/12), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) ainda não autorizou nem emitiu nenhum registro de antígeno para imunização do vírus no País.

publicidade inserida(https://www.ictq.com.br/pos-graduacao)

Autoridades se manifestam

Outro ponto importante é que esse não é um caso isolado, recentemente, a Anvisa emitiu um comunicado sobre uma suposta comercialização irregular de antígenos contra o novo coronavírus em Niterói, região que também faz parte do Estado do Rio de Janeiro.

Nesse caso, os responsáveis pelo falso imunizante alegavam comercializar o antígeno de Oxford, criado pela indústria farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford do Reino Unido. Ao identificar o ocorrido, a Agência reguladora explicou: "Até que seja autorizada pela Anvisa, o cidadão não deve comprar e utilizar qualquer vacina que tenha alegação de prevenir a Covid-19".

Esses casos estão preocupando a comunidade científica, pois, essas substâncias de procedências duvidosas podem causar sérios danos à saúde da população, já que não se sabe, nem mesmo, qual a composição e quais efeitos colaterais podem causar. "Não se sabe o que foi manipulado no produto e qual substância está sendo aplicada na pessoa. É preciso ter aval da Anvisa para atestar a eficácia de vacinas e medicamentos. E, até o momento, nada foi aprovado no País", alertou o presidente da Sociedade Mineira de Infectologia (SIM) e integrante do Comitê de Combate à Covid-19 em Belo Horizonte, Estevão Urbano, em matéria publicada pelo jornal O Tempo.

Participe também: Grupos de WhatsApp e Telegram para receber notícias farmacêuticas diariamente

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

 

Atendimento

Atendimento de segunda a quinta-feira das 08:00h às 18:00h e sexta-feira das 08:00h às 17:00h (Exceto Feriados).

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 911, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS