Lei municipal determina divulgação de medicamentos em falta

Lei municipal determina divulgação de medicamentos em falta nas unidades de saúde

A prefeitura de Rio Branco (AC) sancionou uma lei que determina a divulgação da listagem de medicamentos que estão disponíveis ou em falta na rede de saúde do município, revelou o G1. Segundo a norma, o Executivo Municipal tem dois meses e meio para oferecer o serviço.

Conforme a lei, as informações devem ser compartilhadas de forma on-line no site da prefeitura que deve disponibilizar uma barra de pesquisa que contenha todas as unidades de saúde municipais e os seus medicamentos disponíveis para distribuição. A listagem deve ser organizada de forma alfabética.

Após aprovação na Câmara de Vereadores e sanção do prefeito, a lei foi publicada no Diário Oficial do Estado na segunda-feira (2/8). A norma estipula um prazo de 80 dias para a medida entrar em vigor. Período começou contar a partir da data da publicação.

“A lei dá um prazo de 80 dias para que o município possa se adaptar. Estamos vendo com o pessoal que atua na área de informação para que eles possam adaptar o sistema que já temos e seja lançada toda a relação municipal de medicamentos”, afirmou ao Jornal do Acre 2ª Edição, da Rede Amazônica, o secretário de saúde de Rio Branco, Frank Lima.

Lima disse ainda ao G1 que a medida deve dar mais transparência e que vai trabalhar para executá-la. “Sancionada a lei, a gente toma as providências. Nós já temos a prestação de contas no portal da transparência e isso é mais uma lei que vem para dar transparência ao serviço público”, afirmou. “Da nossa parte não tem nenhum empecilho (para implantar o sistema), vamos começar a trabalhar”.

Receba nossas notícias por e-mailCadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

publicidade inserida(https://emailmkt.ictq.com.br/lancamento-inteligencia-visao-regulatoria-farma-ind?utm_campaign=IVR-JUL21&utm_medium=link-bio&utm_source=instagram&utm_campaign=IVR-JUL21&utm_medium=privado&utm_source=whatsapp)

Nos casos em que haja falta de determinados medicamentos, o farmacêutico pode ajudar o paciente indicando alternativas. “Atualmente, temos uma variedade muito grande de marcas de medicamentos, de genéricos e similares, que geralmente são mais baratos que os de referência”, destaca o farmacêutico e professor da pós-graduação em Farmácia Clínica e Prescrição Farmacêutica no ICTQ – Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico, Rafael Poloni.

Segundo ele, cabe ao profissional orientar para as opções disponíveis. “Cada farmacêutico, dentro das medidas legais, pode fazer a substituição (do medicamento), obedecendo à legislação vigente”, conclui o professor.

Participe também: Grupos de WhatsApp e Telegram para receber notícias farmacêuticas diariamente

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Veja mais materias sobre:

Farmacêutica, Medicamentos, Política Farmacêutica

Atendimento

Atendimento de segunda a quinta-feira das 08:00h às 18:00h e sexta-feira das 08:00h às 17:00h (Exceto Feriados).

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 911, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS