Duas indústrias farmacêuticas são multadas por superfaturamento

Duas indústrias farmacêuticas são multadas por superfaturarem com a saúde pública

No Reino Unido, o órgão de controle de concorrência britânico multou as farmacêuticas Auden Mckenzie e Actavis UK por superfaturarem a saúde pública ao comercializar o medicamento hidrocortisona com preços elevados ao longo de quase uma década. A medida ocorreu nesta quinta-feira (15/07), segundo informação publicada pelo portal Estado de Minas. 

Ainda de acordo com o veículo, as multas chegaram a cerca de 260 milhões de libras (aproximadamente R$ 1,8 bilhão). O valor imposto foi decorrente de uma investigação da Autoridade de Concorrência e dos Mercados (CMA), que descobriu que as companhias teriam cobrado "preços excessivamente altos" no medicamento, que é usado por milhares de pacientes no Reino Unido para tratar insuficiência suprarrenal.

Receba nossas notícias por e-mailCadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

Além dos supostos preços abusivos, a Auden Mckenzie e a Actavis UK também são acusadas de pagar os seus principais concorrentes, a AMCo (agora conhecida como Advanz Pharma) e a Waymade, para que ficassem de fora do mercado.

Dessa forma, as farmacêuticas prevaleceram como principais fornecedoras desses comprimidos e tiveram liberdade para continuar elevando o preço do medicamento, segundo as investigações. Apenas no intervalo de 2008 e 2028, os comprimidos da hidrocortisona teriam tido o preço elevado em mais de 10.000%.

publicidade inserida(https://emailmkt.ictq.com.br/lancamento-inteligencia-visao-regulatoria-farma-ind?utm_campaign=IVR-JUL21&utm_medium=link-bio&utm_source=instagram&utm_campaign=IVR-JUL21&utm_medium=privado&utm_source=whatsapp)

O diretor-geral da CMA, Andrea Coscelli, pontou que esses são alguns dos abusos mais graves que o órgão já descobriu nos últimos anos. Ele afirmou que as ações dessas empresas custaram à saúde pública centenas de milhões de libras. Além disso, Coscelli destaca que a punição serve de exemplo para que novos casos assim não ocorram naquele país.

“São violações flagrantes da lei que aumentaram artificialmente os custos pagos pelo serviço de saúde pública, reduzindo o dinheiro disponível para a atenção aos pacientes. Nossa multa serve de advertência a qualquer outra empresa farmacêutica que tenha a tentação de abusar”, destacou Coscelli.

Regulamentação do setor

A farmacêutica industrial e professora da pós-graduação de Gestão da Qualidade e Auditoria em Processos Industriais do ICTQ – Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico, Luciana Colli, lembra que o superfaturamento dos medicamentos é uma questão regulatória, e cada país tem sua legislação que visa sobre o tema.

No Brasil, ela destaca que compete à Câmara de Regulação do Mercado de Medicamentos (CMED) fazer a regulação econômica do mercado de medicamentos no Brasil, ou seja, ela regula o preço máximo que os fármacos podem ser comercializados no país. E, quando uma empresa age fora dessas determinações legais, as consequências atingem a todos, em especial, o paciente.

“É ruim quando uma empresa é acusada de um superfaturamento, pois isso cai na conta do contribuinte e todos saem perdendo no mercado, de uma forma geral”, explicou a professora.

Participe também: Grupos de WhatsApp e Telegram para receber notícias farmacêuticas diariamente..

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Atendimento

Atendimento de segunda a quinta-feira das 08:00h às 18:00h e sexta-feira das 08:00h às 17:00h (Exceto Feriados).

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 911, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS