Anticorpos de quem já teve Covid-19 não protegem contra variantes

Anticorpos de quem já teve Covid-19 não protegem contra variantes

Um recente estudo internacional publicado na revista científica The Lancet constatou que pacientes vacinados ou que já tiveram Covid-19 não ficam imunes às variantes do novo coronavírus, pois elas têm potencial para escapar dos anticorpos neutralizantes que são gerados pelo sistema imunológico.

Segundo a Agência Brasil, o novo artigo foi divulgado em 09 de julho e contou com a participação de pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP). No estudo, os cientistas revelaram um mecanismo capaz de explicar as razões que culminam nos casos de reinfecções de Covid-19.

Com o surgimento do COVID-19, muitos atletas tiveram que treinar para este momento de forma isolada. Mas eles sempre estiveram conectados por sua esperança e paixão compartilhada.Gamma, conhecida como P.1, originada no Brasil, consegue escapar dos anticorpos de quem já teve a doença. Os cientistas destacam que esses resultados foram obtidos nos testes in vitro, ou seja, em laboratório. Além disso, o estudo não inclui outros tipos de resposta imune do organismo, como imunidade celular.

Receba nossas notícias por e-mailCadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

De toda forma, os resultados iniciais já servem de alerta para a população, conforme o primeiro autor do artigo, William Marciel de Souza, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da USP, aponta:

“É fundamental entender que pessoas infectadas podem ser infectadas novamente”.

Estudo alerta possibilidade de infecção a vacinados

Além da possibilidade de reinfecção, o estudo também alertou que pessoas que já receberam imunização contra a Covid-19 também podem ficar vulneráveis às mutações.

A contestação disso se deu porque para desenvolver a pesquisa, foram analisadas amostras do plasma de pacientes que tiveram a doença e de pessoas imunizadas pela vacina CoronaVac. Assim, o pesquisador reforça que é importante que haja a continuidade das medidas de prevenção contra a Covid-19.

publicidade inserida(https://emailmkt.ictq.com.br/lancamento-inteligencia-visao-regulatoria-farma-ind?utm_campaign=IVR-JUL21&utm_medium=link-bio&utm_source=instagram&utm_campaign=IVR-JUL21&utm_medium=privado&utm_source=whatsapp)

“A pesquisa mostra que pessoas que foram vacinadas ainda estão suscetíveis à infecção, se você tomou a vacina continue usando máscara, continue com distanciamento social, continue usando as medidas de higiene para evitar a transmissão para outras pessoas”, reforçou Souza.

Ainda no que se refere à vacina, o cientista destacou que os estudos clínicos mostram a eficiência da CoronaVac contra formas graves da doença, reduzindo internações e mortes. “A vacina não é contra infecção, infecção pode acontecer a qualquer momento, com qualquer vacina, o objetivo da vacina é contra a doença, a forma grave, da pessoa morrer, ter sequelas graves.”

Proteção contra novas variantes

O farmacêutico e professor da pós de Farmácia Clínica e Prescrição Farmacêutica do ICTQ - Instituo de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico, Thiago de Melo, em recente entrevista à equipe de jornalismo do ICTQ, endossou que a ação mais eficaz para impedir a propagação das mutações do novo coronavírus é seguir com rigor todas as medidas de proteção contra a Covi-19.

Segundo ele, pensando de forma coletiva, com essas iniciativas é possível desafogar os sistemas de saúde, que ainda se encontram colapsados em muitas regiões do País.

“Com menos Sars-CoV-2 circulantes, o impacto sobre as novas variantes mutantes também pode ser suavizado, afinal, com menos ‘casas’ para o vírus morar, menos chance de ele trocar seus códigos", disse ele.

Participe também: Grupos de WhatsApp e Telegram para receber notícias farmacêuticas diariamente..

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Veja mais materias sobre:

Aplicação de Vacinas, coronavírus, Covid-19

Atendimento

Atendimento de segunda a quinta-feira das 08:00h às 18:00h e sexta-feira das 08:00h às 17:00h (Exceto Feriados).

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 911, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS