Cientistas criam tomate transgênico para mal de Parkinson

Cientistas criam tomate transgênico para mal de Parkinson

Pesquisadores do John Innes Centre, do Reino Unido, desenvolveram um tomate enriquecido com a droga L-DOPA para o mal de Parkinson, um avanço que pode se tornar uma fonte acessível de uma droga global, revelou a revista Galileu. O experimento foi publicado no periódico científico Metabolic Engineering.

L-DOPA (também conhecida como Levodopa) é produzida a partir da tirosina, um aminoácido precursor da dopamina neuroquímica encontrado em muitos alimentos. A droga está sendo usada para compensar o suprimento de dopamina em pacientes com Parkinson.

Ela é a terapia padrão para a doença desde 1967 e é uma das substâncias consideradas essenciais pela Organização Mundial da Saúde (OMS). A forma mais comum da droga é sintética, mas também existem fontes naturais.

publicidade inserida(Maxmilhas: https://www.maxmilhas.com.br)

Para o experimento, os pesquisadores britânicos inseriram um gene em tomates que codifica a tirosinase, uma enzima que usa a tirosina para construir moléculas como a L-DOPA. Isso elevou o nível da substância na fruta.

A equipe modificou o fruto do tomate introduzindo um gene responsável pela síntese da L-DOPA na beterraba, na qual atua na produção do pigmento betalaína. Os níveis alcançados no tomate – 150 mg de L-DOPA por kg de tomate – foram comparáveis aos observados em outras plantas que acumulam L-DOPA, mas sem algumas das desvantagens que impediram a produção metabólica da droga anteriormente.

Receba nossas notícias por e-mail: Cadastre aqui seu endereço eletrônico para receber nossas matérias diariamente

Esse novo uso de tomateiros como fonte natural de Levodopa também oferece benefícios para pessoas que sofrem efeitos adversos, como náuseas e distúrbios comportamentais, causados pelo L-DOPA sintetizado quimicamente. O fruto foi escolhido porque pode ser produzido em larga escala e já oferece uma fonte natural padronizada e controlada de L-DOPA.

De acordo com a professora do Centro John Innes Cathie Martin, autora correspondente do estudo, “a ideia é que você possa cultivar tomates com relativamente pouca infraestrutura. Como organismos geneticamente modificados (OGM), você poderia cultivá-los em ambientes controlados com malhas (telas) muito estreitas, e assim você não teria pólen escapando por meio de insetos”.

Participe também: Grupos de WhatsApp e Telegram para receber notícias farmacêuticas diariamente

 Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Veja mais materias sobre:

Pesquisa Farmacêutica, Farmácia, Medicamentos

Atendimento

Atendimento de segunda a quinta-feira das 08:00h às 18:00h e sexta-feira das 08:00h às 17:00h (Exceto Feriados).

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 911, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS