Anvisa divulga 9º boletim de farmacovigilância sobre MIP e automedicação

Anvisa divulga 9º boletim de farmacovigilância sobre MIP e automedicaçâo

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) divulgou na segunda-feira (02/03), o 9º Boletim de Farmacovigilância sobre medicamentos isentos de prescrição (MIPs). A publicação aborda essa classe de produtos, chamando a atenção para a importância do farmacêutico nos serviços prestados à população na prevenção da automedicação, pois, conforme explica o documento, apesar dos MIPs “serem isentos de prescrição, não são isentos de orientação para o seu uso”.

Nesse sentido, o boletim enfatiza: “O profissional farmacêutico tem um papel fundamental na orientação dos indivíduos quanto ao autocuidado e à automedicação apropriada e responsável e, quando necessário, no encaminhamento do paciente ao médico. Para isso, deve iniciar um diálogo com os consumidores [pacientes], de forma a obter informações detalhadas sobre sua condição de saúde, seu histórico de uso de medicamentos e suas necessidades; auxiliar o paciente na escolha da opção terapêutica mais adequada, eficaz e segura para o seu caso; e educar o paciente, de forma clara e objetiva, sobre o uso racional do medicamento (como usar de forma correta e o que fazer em caso de ocorrência de eventos adversos, por exemplo)”.

Leia também: Automedicação: farmacêutico, a culpa não é sua, entenda por que

Para exemplificar a importância da atenção farmacêutica no uso dos MIPs, a publicação da Anvisa apresenta tópicos com dados alarmantes:

  • Uso do medicamento em doses maiores que as recomendadas em bula:

Uma pesquisa feita nos Estados Unidos, com cinco mil indivíduos adultos (18 a 80 anos), mostrou que 23,8% deles usaram doses acima das máximas permitidas de paracetamol em um período de 24 horas.

  • Uso incorreto do medicamento:

De 2008 a 2014, na França, 160 notificações de reações adversas a medicamentos (1,3% do total) foram resultantes de automedicação (50,5% dos medicamentos eram MIPs). O uso incorreto foi observado em 36% dos produtos, principalmente, com os anti-inflamatórios não esteroidais e analgésicos.

No Reino Unido, uma pesquisa com 430 adultos mostrou que 19,3% deles usaram MIPs de forma incorreta, 4,1% fizeram uso abusivo e 2% se tornaram dependentes desses medicamentos. A dependência foi relatada com analgésicos (com ou sem codeína), produtos para dormir e à base de nicotina.

Vale ressaltar que, no Brasil, os números relacionados à automedicação também são alarmantes. Um estudo realizado pelo ICTQ - Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico mostrou que 76% da população afirmava se automedicar em 2014. Já em 2016, a porcentagem apresentou uma leve queda para 72%, mas voltou a crescer em 2018, somando 79%. Esse ano, a pesquisa mostrou que já chegam a 81% os brasileiros que tomam medicamentos por conta própria.

O boletim da Anvisa ainda avalia que, principalmente, no caso de idosos e crianças, o uso de MIPs deve ser monitorado pelo médico ou pelo farmacêutico, ressaltando que o paciente ou responsável consulte um desses profissionais antes de fazer uso do medicamento.

É importante ressaltar que o documento do órgão sanitário, que chama a atenção para a importância dos serviços farmacêuticos na utilização dos MIPs, ainda que sem intenção, vem ao encontro do projeto de lei (PL) 5443/19, do deputado, Eduardo Bismarck (PDT-CE), que propõe a tarja azul para aqueles medicamentos que, atualmente, têm tarja vermelha (sem retenção de receita) e que possuem, no mínimo, 70% dos critérios estabelecidos para os MIPs.

Isso quer dizer que esses tarjas vermelha que se enquadrarem nesses critérios poderão ser prescritos por farmacêuticos, caso o projeto seja aprovado (leia a matéria completa sobre o tema aqui). O 9º Boletim de Farmacovigilância da Anvisa pode ser acessado aqui.

Participe também: Grupo de WhatsApp para receber notícias farmacêuticas diariamente

Obrigado por apoiar o jornalismo profissional

A missão da Agência de notícias do ICTQ é levar informação confiável e relevante para ajudar os leitores a compreender melhor o universo farmacêutico. O leitor tem acesso ilimitado às reportagens, artigos, fotos, vídeos e áudios publicados e produzidos, de forma independente, pela redação da Instituição. Sua reprodução é permitida, desde que citada a fonte. O ICTQ é o principal responsável pela especialização farmacêutica no Brasil. Muito obrigado por escolher a Instituição para se informar.

Veja mais materias sobre:

Automedicação, ANVISA, Farmacovigilância

Atendimento

Atendimento de segunda a quinta-feira das 08:00h às 18:00h e sexta-feira das 08:00h às 17:00h (Exceto Feriados).

Telefones:

  • 0800 602 6660
  • (62) 3937-7056
  • (62) 3937-7063

Whatsapp

Endereço

Escritório administrativo - Goiás

Rua Benjamin Constant, nº 1491, Centro, Anápolis - GO.

CEP: 75.024-020

Escritório administrativo - São Paulo

Rua: Haddock Lobo, n° 131, Sala: 911, Cerqueira César.

CEP: 01414-001 , São Paulo -SP.

Fale conosco

PÓS-GRADUAÇÃO - TURMAS ABERTAS